skip to Main Content

Alergia à Penicilina: Como saber se você tem?

A penicilina é o mais antigo dos antibióticos. E vem sendo usada na medicina para tratar as infecções. Por outro lado alguns podem ter alergia à penicilina.

E por ser tão popular, ela gera muitas dúvidas. Em especial quando falamos da alergia à penicilina. Que costuma ser uma coisa comum.

Mas será que você tem isso? Siga com a leitura desse artigo e entenda mais sobre o tema.

O que é a penicilina?o que é penicilina

A princípio usada pela primeira vez no início da década de 1940. A Penicilina foi um dos primeiros dos antibióticos a ser feitos. Desde então, ela vem salvando milhões de vida.

Após isso, a síntese de compostos similares deu lugar à criação de famílias de moléculas. Em suma, com o mesmo perfil químico. Além do mesmo meio de ação. Em conclusão, surgindo assim as Penicilinas que são as Semissintéticas. Bem como as que são as Sintéticas.

As Penicilinas, em geral, são os antibióticos com espectro de ação um pouco estreito. Isso quer dizer que elas agem de forma mais seletiva. Em síntese, matando as bactérias que causam a doença. Isso sem perturbar as bactérias que são úteis. Bem como as células que são humanas.

Por que as pessoas tem alergia à Penicilina?

Por terem a ação estreita, as Penicilinas ainda são a família de antibióticos mais usadas. Bem como a menos tóxicas. Ainda assim, elas podem se ligar às proteínas do soro humano. E então causar as reações alérgicas. Em pessoas que são suscetíveis. Além de outras reações adversas.

A alergia à Penicilina. Bem como aos antibióticos de forma geral pode ser grave. Incluindo os sintomas como a urticária, o angioedema. Bem como o chiado. Além do choque anafilático.

As pessoas com tais reações têm direito a informação e a ajuda correta. No entanto, o problema é que muitos (e talvez a maioria das pessoas) que dizem que possuem essa alergia, em fato, não a têm.

Quem tem alergia à Penicilina?
alergia à penicilina

Cerca 10% de todos os pacientes. De uma população hospitalar. Relatam ter tido a reação alérgica à Penicilina no seu passado.

No entanto, muitos que relatam alergia à Penicilina. Não tiveram a real reação alérgica. Quando avaliados imunologicamente. Menos de 4% desses são de fato os alérgicos.

Além disso, cerca de 80% das pessoas com a alergia à Penicilina perdem sua sensibilidade alérgica depois de 10 anos.

Hoje em dia, os exames de sangue ao dispor comercial para a alergia à Penicilina não são úteis. Afinal, eles não se relacionam com os parâmetros que são os mais confiáveis. Como o Teste de Provocação Oral.

Recentemente, está em criação um teste que é um tanto simples e é bem confiável. Que pode dizer se uma pessoa tem ou não a alergia à Penicilina. O Teste de Alergia à Penicilina pode ser feito por um Alergista e um Imunologista . Que foi treinado para realizar os testes cutâneos. Bem como na assistência de reações alérgicas agudas.

Os pacientes negativos ao teste de Alergia à Penicilina. Tem menos de 3% de chance de ter uma reação à Penicilina. Em suma, a chance similar à de qualquer outra pessoa.

Qual a importância do Teste de Alergia à Penicilina?

Ao longo dos anos, a conduta padrão para quem diz ser alérgico à Penicilina. Tem sido a de apenas evitar todas as penicilinas. Porém, agora se sabe que existem riscos significativos ligados ao “apenas evitar”.

Os antibióticos de amplo espectro são, muitas vezes, usados como uma alternativa às penicilinas. No entanto, as pesquisas têm mostrado que o uso desses antibióticos. Em pessoas rotuladas como alérgicos. Está associado com o aumento do risco de infecções graves pelas Bactérias Super-resistentes aos Antibióticos. Conhecidas como as Superbactérias.

Além disso, há um aumento na estadia hospitalar. Bem como dos custos do atendimento para o próprio paciente. E para o sistema de saúde.

alergia à penicilina

Dessa forma, ver do jeito certo os que não são alérgicos à penicilina pode diminuir o uso de antibióticos de amplo espectro. Além de reduzir a exposição desnecessária dos pacientes às infecções. Que são desencadeadas por bactérias que são multirresistentes. E os custos do atendimento em saúde.

Quem deve se submeter ao teste de alergia à Penicilina?

Quase todos com uma história da “alergia à Penicilina” podem ser testados com a segurança. Isso inclui os que tenham antecedentes de anafilaxia. Bem como de urticária ou outras erupções que são cutâneas e benignas. Além de sintomas gastrointestinais. As dores de cabeça. Ou até as reações desconhecidas. Associadas com o uso prévio da Penicilina.

O CDC é o Centro de Controle de Doenças de USA. E ele diz que todos os com o histórico de alergia à Penicilina devem realizar o teste. Assim como, todos aqueles que se veem como alérgicos. E estiverem vendo uma internação. Ou os que usam, em média, um ou mais cursos de antibióticos por ano.

O Teste de Alergia à Penicilina também tem sido uma recomendação da Academia Americana de Alergia, Asma e Imunologia. E o American Board of Internal Medicine desde 2014.

Por fim, ainda é possível realizar a Dessensibilização Oral. Que é um método que induz a tolerância do paciente para o remédio. E assim permiti que o mesmo possa tomar a Penicilina sem risco de reações graves.

Em suma, o método deve ser pensado sempre que pessoas necessitem da Penicilina. Para a terapia de infecções que são crônicas e/ou as potencialmente fatais.

 

Enfim, o artigo foi útil? Quer saber mais sobre as doenças alérgicas? Veja o nosso vídeo sobre o assunto.

Dr. Javier Ricardo Carbajal Lizárraga.

Alergista e Imunologista.

CRM 92607. RQE 21798.

Gostou do texto? Compartilhe com seus amigos!

DR. JAVIER RICARDO CARBAJAL LIZÁRRAGA
ALERGIA E IMUNOLOGIA - RQE 21798 - CRM-SP 92607
CRIANÇAS E ADULTOS
O conteúdo deste site tem o objetivo de informar.
Não deve, de forma alguma, servir como base para qualquer diagnóstico ou tratamento sem a supervisão de um profissional médico especialista qualificado.
Em caso de dúvidas, procure sempre orientação médica.

Back To Top
×Close search
Pesquisar