skip to Main Content

Entenda o que são Tireoidite de Hashimoto (TH) e a Doença de Graves (DG)

Tireoidite de Hashimoto

Tireoidite de Hashimoto (TH) é uma doença que ocorre na tireoide que é uma glândula endócrina situada na frente da laringe.

Doenças Autoimunes da Tireoide (DAT) são um grupo de doenças caraterizadas pela inflamação da glândula Tireoides, predominantemente, por reação autoimune contra a própria glândula. O que significa que o sistema Imunológico agride o próprio órgão.

Há principalmente dois tipos de DAT, Doença de Graves e a Tireoidite de Hashimoto. Siga com a leitura desse artigo para entender mais sobre a Tireoidite de Hashimoto e a Doença de Graves.

Quais são as Causas e os Sinais da Tireoidite de Hashimoto?

Tireoidite de Hashimoto

Essa reação é imunológica e dirigida contra proteínas especificas da glândula como Tireoperoxidase e Tireoglobulin na Tireoidite de Hashimoto ou o Receptor para o Hormônio Estimulante da Tireoide procedente da Hipófise na Doença de Graves.

Primeiramente, é importante saber que Doenças Autoimunes da Tireoide (DAT) estão entre as mais comuns Autoimunes e atingem até 5% da população. São ainda mais comuns entre as mulheres do que em homens, com uma relação feminino: masculino, variando de 5:1 a 10:1.

Na área da Alergia e Imunologia, é facilmente evidente que a Tireoidite de Hashimoto é a Doença autoimune que mais frequentemente se associa com Urticária Crônica.

A etiologia das DAT é multifatorial e fatores genéticos e ambientais estão envolvidos. Tem-se identificado vários genes que são relevantes para o aparecimento das DAT, incluindo os genes específicos da tireoide. Assim como fatores ambientais que agem como gatilhos para a alteração imunológica, como ingestão excessiva de Iodo ou carência de Selênio, tabagismo, álcool, doenças infecciosas, medicamentos, gravidez e possivelmente estresse.

Todas as formas são caracterizadas microscopicamente por infiltração da tireoide por células imunológicas, principalmente, linfócitos, no interstício, entre os folículos da tireoide, reativos para algumas estruturas das células da tireoide, além da presença de anticorpos específicos contra a tireoide. Provocando assim uma grande reação inflamatória local e destruição do tecido sadio da glândula tireoidiana.

Clinicamente a Tireoidite de Hashimoto é na maioria dos casos assintomática até o momento de provocar a destruição da glândula em níveis suficientes para provocar falta de Hormônio Tireoidiano, condição chamada de Hipotireoidismo.

Embora no início do processo, as pacientes possam ser eutireóideas ou mesmo apresentar hipertireoidismo. Por outro lado, a Doença de Graves apresenta-se clinicamente como um aumento de volume manifesto da glândula (Bócio) associado com sintomas de Hipertiroidismo.

Qual o Diagnóstico e qual a Terapia disso?

Tireoidite de Hashimoto

O diagnóstico de Tireoidite de Hashimoto baseia-se na demonstração de anticorpos contra antígenos da tireoide (principalmente Tireoperoxidase e Tireoglobulina) e ecogenicidade reduzida na ecografia da tireoide em um paciente com características clínicas adequadas de circulação.

A presença de Anticorpos contra o Receptor do Hormônio estimulante da Tireoide, Níveis baixos do Hormônio Estimulante da Tireoide, e alto nível de captação de Iodo na Cintilografia da Tiroide, orientam o diagnóstico de Doença de Graves.

Tireoide

O tratamento permanece sintomático e com base na administração de hormônios sintéticos de tireoide para corrigir o hipotireoidismo. Ou bloqueadores do Hormônio Tireoidiano no hipertireoidismo, conforme necessário.

Cirurgia é considerada quando o bócio é grande o suficiente para causar compressão significativa das estruturas circundantes do pescoço, ou quando algumas áreas da glândula tireoidiana imitam as características de um nódulo cuja citologia não conseguiu ser determinada como benigno.

Tireoide

Tiroiditis Autoimune continua a ser uma área complexa e em constante expansão, de patogênese desconhecida.  E aguarda a prevenção bem como novas formas de tratamento.

Atualmente, evidencias apontam a considerar o controle do equilíbrio no Sistema Imunológico com medidas nutricionais, ambientais e esquemas de Imunomodulação; mesmas que podem contribuir favoravelmente na evolução clínica-laboratorial e na resposta às medidas tradicionais.

Enfim, você achou que o artigo foi útil? Quer saber mais sobre as Doenças Autoimunes? Não deixe de ver o nosso vídeo sobre o assunto.

Dr. Javier Ricardo Carbajal Lizárraga
Especialista em Alergia e Imunologia.
CREMESP 92607. RQE 21798

Gostou do texto? Compartilhe com seus amigos!

DR. JAVIER RICARDO CARBAJAL LIZÁRRAGA
ALERGIA E IMUNOLOGIA - RQE 21798 - CRM-SP 92607
CRIANÇAS E ADULTOS
O conteúdo deste site tem o objetivo de informar.
Não deve, de forma alguma, servir como base para qualquer diagnóstico ou tratamento sem a supervisão de um profissional médico especialista qualificado.
Em caso de dúvidas, procure sempre orientação médica.

Back To Top
×Close search
Pesquisar