skip to Main Content

Você sabe o que é Asma Severa?

A asma é uma doença caraterizada por sintomas típicos, além de episódios intermitentes (crises) e relativamente frequentes de falta de ar e sibilos (assobios, chiado). A Asma Severa é a forma mais grave da doença. Contudo, a apresentação clínica, abordagem e tratamento são complexos e heterogêneos.

Ela ainda é a mais comum doença crônica em crianças e adultos nas cidades modernas. Ainda assim, a doença pode acontecer com maior ou menor intensidade. Siga com a leitura e entenda melhor!

O que é a Asma Severa?

asma severa

Asma Severa é definida geralmente como a Asma presente em indivíduos com mais de 6 anos de idade, que requer tratamento com altas doses de corticoides inalados além de uma outra terapia, ou corticoides sistêmicos (orais ou injetados) para manter o controle das crises. Ou, ainda, aquela que permanece sem controle embora estas terapias.

Fatores genéticos, psicológicos, fisiopatológicos (refluxo gastro-esofágico, inflamação e/ou infecções crônicas) e principalmente imunológicos, influem em maior ou menor grau para o desenvolvimento e persistência desta condição.

Quais os tratamentos para a doença?

asma severa

Na experiência clínica mundial, a Imunodeficiência Primária, particularmente as deficiências de anticorpos, que respondem ao tratamento com imunoglobulinas, tem-se mostrado associadas com asmas severas; além de alergias, que respondem à Imunoterapia específica, também conhecidas como “vacinas para alergia”.

Ambas as condições, portanto, tem sido com frequência demonstradas em pacientes antes tidos como asmáticos severos ou de difícil controle.

Atualmente, têm sido desenvolvidos excelentes biomarcadores na tentativa de definir a base patológica individual (para cada paciente). E, com isso, definir a melhor das opções terapêuticas.

Dessa forma, a aplicação destas técnicas na indicação e aplicação dos chamados Medicamentos Biológicos tem melhorado grandemente os resultados no tratamento dos pacientes com diagnóstico de Asma Severa ou “de difícil controle”.

Assim, o amplo e profundo conhecimento das variáveis imunológicas, além da participação multiprofissional, é necessário para poder oferecer soluções concretas e plausíveis para estes pacientes.

Achou o artigo útil? Então talvez goste de ver o vídeo sobre a Terapia com Imunoglobulina.

Dr. Javier Ricardo Carbajal Lizárraga.
CRM 92607. RQE 21798
Especialista em Alergia e Imunologia.

Gostou do texto? Compartilhe com seus amigos!

This Post Has 0 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top
×Close search
Pesquisar