skip to Main Content

Deficiência Específica de Anticorpos: O que médicos não especialistas precisam saber

A Deficiência Específica de Anticorpos (SAD) é uma imunodeficiência primária que muitas vezes passa despercebida, mas que pode ter um impacto significativo na qualidade de vida dos pacientes. Neste artigo, vamos abordar o que médicos não especialistas precisam saber sobre esta condição, incluindo seus sintomas, diagnóstico e opções de tratamento.

O Que é a Deficiência Específica de Anticorpos (SAD)?

SAD é uma condição na qual os pacientes têm uma resposta inadequada a antígenos polissacarídicos, apesar de apresentarem níveis normais de imunoglobulinas (IgG, IgA, IgM) e respostas normais a antígenos proteicos. Esta imunodeficiência primária é comum entre crianças mais velhas e adultos com infecções respiratórias recorrentes.

Sintomas Comuns 

Pacientes com SAD geralmente apresentam:

  1. Infecções sinopulmonares recorrentes, como otite média, bronquite, rinossinusite e pneumonia.
  2. Atopia, incluindo asma e eczema, que pode complicar ainda mais o quadro clínico.
  3. Doenças inflamatórias e autoimunes, como psoríase, espondiloartrose, artrite reumatoide, etc..

Diagnóstico

O diagnóstico de SAD envolve uma avaliação cuidadosa das respostas imunológicas do paciente. Aqui estão os principais passos diagnósticos:

  1. História Clínica e Exame Físico: Avaliação das infecções recorrentes e histórico de atopia.
  2. Testes Laboratoriais: Medição dos níveis séricos de imunoglobulinas (IgG, IgA, IgM) e subclasses de IgG.
  3. Vacinação Diagnóstica: Avaliação da resposta a vacinas contendo antígenos polissacarídicos (ex: vacina pneumocócica 23-valente). A resposta inadequada a esses antígenos é um critério chave para o diagnóstico.
  4. Níveis de Isohemaglutininas : A SAD prejudica o desenvolvimento de anticorpos contra isogrupo sanguíneos ABO.

Tratamento

O manejo da SAD inclui várias abordagens terapêuticas:

  1. Vacinação Adicional: A vacinação com vacinas conjugadas pneumocócicas pode melhorar a resposta imune.
  2. Profilaxia Antibiótica: Indicada para pacientes com infecções recorrentes graves, apesar da vacinação.
  3. Terapia de Reposição de Imunoglobulina (IgG): Recomendada para pacientes que continuam a apresentar infecções recorrentes, apesar das outras medidas terapêuticas.

Controvérsias e Desafios

Existem várias controvérsias no manejo da SAD:

  1. Definição de Resposta Adequada: Não há consenso sobre a magnitude da resposta e o número de sorotipos necessários para definir uma resposta normal às vacinas polissacarídicas.
  2. Indicações para Profilaxia Antibiótica: A frequência e a gravidade das infecções que justificariam a profilaxia antibiótica não estão bem estabelecidas.
  3. Eficácia da Terapia com Imunoglobulina: Embora faltem estudos definitivos específicos em pacientes com SAD, a eficácia da terapia com imunoglobulina tem sido demonstrada em todos os grupos de pacientes com deficiências de anticorpos.

Importância da Avaliação Individualizada

Cada paciente deve ser tratado como um indivíduo, com intervenções diagnósticas e terapêuticas adaptadas às suas necessidades específicas. O manejo eficaz da SAD pode melhorar significativamente a qualidade de vida dos pacientes, prevenindo infecções recorrentes e complicações associadas.

Conclusões

A Deficiência Específica de Anticorpos é uma condição que exige atenção especial dos profissionais de saúde. Reconhecer os sintomas, realizar o diagnóstico correto e implementar um plano de tratamento adequado são passos essenciais para garantir uma melhor qualidade de vida para os pacientes. Se você suspeita que um paciente possa ter SAD, considere uma avaliação imunológica detalhada e, se necessário, encaminhe-o a um especialista em imunologia.

Leia mais:

Para mais informações sobre imunodeficiências primárias e estratégias de manejo, recomendamos acessar fontes confiáveis como a Academia Americana de Alergia, Asma e Imunologia (AAAAI), a Clinical Immunology Society (CIS) e UpToDate.

Dr. Javier Ricardo Carbajal Lizárraga.
Especialista em Alergia e Imunologia.
Crianças e adultos.
RQE 21798. CRM/SP 92607.

Alergista e Imunologista pela USP e Sociedade Brasileira de Alergia e Imunologia. Membro da Sociedade Brasileira de Alergia e Imunologia ASBAI; American Academy of Allergy; Asthma & Immunology AAAAI member; Clinical Immunology Society CIS member; European Academy of Allergy and Clinical Immunology (EAACI) member; European Society for Immunodeficiencies member and Latin American Society for Immunodeficiencies (LASID) member.

Gostou do texto? Compartilhe com seus amigos!

This Post Has 0 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top
×Close search
Pesquisar